Eu não sabia dançar

Fonte: We Heart It E eu dancei com você. Na primeira noite que saímos e no ultimo dia que te vi. Ao som daquela música do Ed Sheeran,...

Fonte: We Heart It


E eu dancei com você. Na primeira noite que saímos e no ultimo dia que te vi. Ao som daquela música do Ed Sheeran, Thinking Out Loud, talvez eu tenha te amado. É que na primeira vez você me segurava e me conduzia com tanta certeza que nossa dança daria certo como se a gente também fosse dar certo. Naquele dia eu senti alivio e confiança. Alivio por estar em seus braços e uma confiança porque eu senti que se eu entregasse o meu mundo a você, você trataria de cuidar dele.

Eu não sabia dançar. Nunca soube, mas com você não precisava ser a melhor dançarina. Nossos passos saiam tão perfeitos que parecia tudo ensaiado, mas foi improviso. Assim como foi improviso amar seus olhos e sorrisos. Lembro que o lugar não era adequado, mas pra gente era o melhor lugar para estar naquele momento. Não me importei em estar dançando no meio do nada com pessoas desconhecidas nos observando, só o que me interessava era você e eu. E de como o dono de alguma casa qualquer soube a hora certa de tocar a nossa música.

Você segurou minha mão, olhou nos meus olhos e sem dizer nada eu compreendi que a gente seria. Seria companhia. Seria certeza. Seria amor. Mas a gente foi quase: quase amor, quase qualquer coisa menos certeza.

Na ultima dança eu não sabia que seria a última, mas acho que senti. E eu tropecei no seu pé e cai, mas você não me ajudou a levantar. Nós paramos de dançar. Eu só queria que você me conduzisse novamente. Segurasse minha mão e me girasse para terminar o rodopio com um abraço, ao invés disso você se abaixou, deu um beijo na minha testa e saiu. E eu olhei enquanto você dava as costas para mim e eu não acreditei que a nossa dança tinha terminado e nunca mais seria conduzida por você.

Depois desse dia, eu danço Ed sozinha. No meio da rua, na pista do restaurante, no hotel, no estacionamento do shopping, alimentando a esperança de que você aparecerá em breve e segurará minha mão para me conduzir por mais uma e outra, e outra dança. Eu danço todo dia, mas não é a mesma coisa sem você. Depois do rodopio não tem o abraço, não tem sua mão segurando a minha, não tem o calor da sua pele, nem seu sorriso, nem seus olhos. Não tem sua companhia.

Mas você nunca mais voltou.

You Might Also Like

1 comentários

  1. Olá!

    Que lindo! Acho que você deveria juntar todos os seus escritos e montar um livro de crônicas! Cada post você me supreende com escritos maravilhosos! Parabéns!!

    resenhaeoutrascoisas.blogspot.com

    ResponderExcluir